quarta-feira, 26 de dezembro de 2018

EDITORIAL | Transporte Público perdendo 42% dos passageiros pagantes

Vanzeiros transformam a lei em letra morta e com ela matam o transporte público. Eis que a realidade nua e crua se apresenta e a conta chegou: Transporte Público perdendo 42% dos passageiros pagantes.


Autuados ou apreendidos hoje, circulam desafiadoramente no dia seguinte como se imunes a lei fossem. 

BLOG DO ANDERSON

2019. O ano em que autoridades não terão outras opções que não sejam combater implacavelmente a clandestinidade. Em nome da segurança pública, em irrestrito repeito às leis e às instituições judiciárias e à você, cidadão, que acaba pagando a conta.

O alerta é temerário, mas é o que vislumbramos diante de tanta irresponsabilidade e desrespeito à Justiça: Em 2019 Vitória da Conquista pode ficar totalmente sem ônibus. 

Quais as consequências que os clandestinos já impuseram à nossa cidade?

A maior delas foi a falência da Viação Vitória, uma das empresas de ônibus - deixando à mercê da sorte 517 rodoviários e suas famílias (RELEMBRE AQUI)- além dos prejuízos acessórios:

A - tarifa cada vez mais alta;
B - redução no número de ônibus;
C - localidades sem ônibus;
D - redução de horários.

A soma de tudo? Maior tempo de espera dos passageiros nos pontos.

É possível toda a cidade ficar sem ônibus? Sim. 
(SÃO 90 MIL USUÁRIOS/DIA) 

Em 18 de julho de 2018, o prefeito Herzem Gusmão foi obrigado pelas circunstâncias a publicar um edital reconhecendo ESTADO DE EMERGÊNCIA no transporte público, ocasião em que metade da cidade ficou sem ônibus por quase 20 dias e o município não conseguiu atrair outra empresa.

RELEMBRE:
Prefeitura declara situação de emergência no transporte coletivo; veja o decreto

Alguém perguntaria: Pode ficar pior? Sim.

Vereadores, Ministério Público, técnicos em transporte púbico e a própria falência da Viação Vitória apontam, como numa espécie de profecia do inevitável apagão, agora em toda Vitória da Conquista.

Cada vez mais os vereadores se aproximam da dramática realidade matemática do transporte público, sendo os mais destacados Gilmar Ferraz, Professor Cori e Viviane Sampaio. Sem exceção, vão concluindo que este bem público está muito pior do que aparenta aos olhos de quem acompanha à distância.

Todos que verificam os números acendem a “luz vermelha”. Até mesmo o Conselho de Segurança não se eximiu do drama que o transporte público poderá causar a cidade. O novo presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), subseção Vitória da Conquista, Ronaldo Soares, também prometeu dedicar-se ao assunto.

O que significa os impactos de tudo isso?

Pra início de conversa, 100% da cidade ficando totalmente sem ônibus e com ela, 90 mil usuários  sem saber o que fazer, além da economia local perdendo milhões. Prova disso foi o período em que a Viação Vitória faliu, resultando consequentemente numa retração de cerca de 25% nas vendas no comércio local.

É sabido que os aposentados que andam de ônibus também são responsáveis pelo fomento de nossa economia. Uma vez sem ônibus, eles diminuem suas idas e vindas na área central da cidade. Sem eles no consumo há um vácuo na economia.

Quem menos pode, em qualquer cidade, são aqueles que habitualmente andam de ônibus. 

Porém, mais terrível ainda é saber que há outra parcela dentro dessa que menos pode muito mais ainda. Essa parcela mais fragilizada depende mensalmente de 1 milhão e 100 mil viagens gratuitas nos ônibus. São eles que usufruem dos direitos sociais, como idosos, deficientes e estudantes com meia-passagem.

A verdade é que, se Vitória da Conquista não ficou ainda 100% sem ônibus tem sido graças ao esforço da Viação Cidade Verde.

Mas, até quando a empresa resistirá?

O trágico “STRIKE” dos vanzeiros clandestinos.

Vanzeiros clandestinos vem derrotando e subjugando não só o governo Herzem Gusmão, mas desmoralizando agentes de trânsito e polícia militar, bem como atropelando decisões judiciais.

E sabe quais os benefícios que os “pais de famílias” ou "trabalhadores" do sistema clandestino no transporte de passageiros impõem ao bolso da parcela da cidade que depende do transporte público?

A - tarifa cada mais alta;
B - redução da frota de ônibus.

Ilhéus terrivelmente atacada  pelos automóveis piratas e mototáxi 

Outra cidade e sua população vítimas da clandestinidade no transporte público.

Se os passageiros de Vitória da Conquista reclamam da tarifa alta por conta do tamanho da cidade,  imagine em Ilhéus muito menor em extensão territorial.

RESULTADO:

Prefeito de Ilhéus autoriza aumento de passagem 
para R$ 3,80 a partir de 30 de dezembro 

A população passou da hora de entender - quem aumenta a passagem é a fuga de passageiros para os clandestinos.

Os vanzeiros, quando autuados e apreendidos que são num dia, no outro voltam a circular livremente, passando péssima mensagem à cidade e aos órgãos públicos e de segurança.  Circulam e continuam na prática  crime como se já não tivessem sido advertidos pela lei. Enfim, clandestinos transformam a lei em letra morta.

O QUE JÁ SE FALOU SOBRE O ASSUNTO:

Transporte Clandestino de Passageiros | VANZEIROS CONTINUAM SUJEITOS A APREENSÃO

... E MAIS ...

FALÊNCIA | Justiça decreta falência da Viação Vitória; empresa deve mais de R$201 milhões

Nenhum comentário:

Postar um comentário